A verdadeira história da meia arrastão ainda é um pouco obscura. Mas tudo indica que houve uma certa inspiração nas redes de pesca, já que em 1973 o filósofo Roland Barthes escreveu em seu ensaio The Pleasure of the Text, sobre o erotismo do visto e do invisível, que as redes de pesca encarnam. A meia arrastão tornou-se popular na década de 1920, com garotas ousadas que circulavam pelas noites. Nos anos 80, teve sua embaixadora, a cantora Madonna, que abusou dessa peça nos palcos de todo o mundo.

Hoje, a peça está de volta e com uma cara nova. Em diversas proporções, texturas e cores, a meia arrastão ainda demonstra uma mulher com atitude mas com um certo requinte. A meia arrastão de hoje, nos mostra como a mulher pode estar moderna e elegante e como essa peça pode ser algo versátil com o passar dos anos.

Beijos e até breve,

Dayse B.